Foto

Foto

Diana Maritza Monroy Moreano

emaildmmonroym@unal.edu.co

Bióloga com interesse na ecologia de paisagem e análise espacial. Acredito na socialização da ciência como meio para conseguir um entendimento integral dos sistemas natural e sociocultural.

As relações entre mudanças na cobertura do solo e incêndios na Serra La Lindosa, em San José del Guaviare, Colômbia

As atividades humanas que influenciam diretamente no uso do solo e que afetam a biodiversidade, ocasionaram a perda do 80% da cobertura da floresta da região andina na Colômbia, durante o Século XX.



share Compartilhar expand_more

Entre os múltiplos efeitos que o ser humano exerceu e desencadeou sobre o planeta, a mudança na cobertura do solo tem sido, por sua natureza, a mais extensa, a mais estudada e a mais complexa, devido às diferentes atividades realizadas e devido à rede de interações que são afetadas. Na Colômbia, essas mudanças são geradas pela construção de estradas, exploração de hidrocarbonetos e aumento das áreas urbanas e agrícolas. Estes últimos são os que têm o impacto mais óbvio na cobertura florestal das diferentes regiões do país, não apenas porque é a maior área afetada, mas também devido a sua voracidade e transição desorganizada.

Um exemplo histórico foi a região andina do país, que perdeu quase 80% de sua cobertura florestal por meio das rápidas mudanças exigidas pelo crescimento econômico do século XX. Hoje, essa tendência mudou para a região amazônica, com maior grau de impacto nos departamentos de Guaviare e Caquetá, oficialmente considerados núcleos de desmatamento, causados por uma apropriação incessante de terrenos vagos, e o  deslocamento de comunidades, mais do que pela exploração econômica em si. 

Mapas de referência para artigo de Diana Monroy (português)

A Serra La Lindosa, localizada a 20 minutos de San José del Guaviare, é uma área de importância biológica, dado os diferentes organismos que vivem exclusivamente nessa área (Figura 1). Por esse motivo, é especialmente importante estudar as adaptações e modos de vida desses organismos, bem como a importância geológica, pois faz parte de um dos mais antigos afloramentos rochosos do continente, o Escudo da Guiana. Da mesma forma, essa região abriga uma grande importância sociocultural, devido à história que possui sobre as comunidades pré-hispânicas que a habitavam e sua atual atração turística. 

Apesar de tamanha importância, a Serra La Lindosa está sendo isolada da cobertura florestal contínua por meio da mudança ou transição da cobertura florestal para pastagens, vegetação secundária e áreas agrícolas, afetando o fluxo de nutrientes, a biota e a conectividade entre os ecossistemas ao norte e ao sul do rio Guayabero. Embora essa mudança ocorra sob diferentes mecanismos, o uso do fogo, como será explicado mais adiante, é comum na área, o que aumenta sua vulnerabilidade, porque não é apenas usado como mecanismo para iniciar o processo de desmatamento, mas também para o controle e rotação de culturas já instaladas. Seu uso contínuo causa uma ameaça permanente às florestas circundantes, sem mencionar as toneladas de dióxido de carbono que são emitidas na atmosfera.

Mapa de coberturas para artigo de Diana Monroy  (português)

O estudo relaciona a taxa de mudança entre a cobertura acima mencionada, a relação entre essa transição, a localização dos incêndios em La Lindosa e a 15 km, entre os períodos 2012-2016 para as mudanças e 2016-2018 para incêndios, cujo padrão poderia permanecer estabelecido até o momento.

Entre 2012 e 2016, foram perdidos 15.276 hectares de floresta, sendo substituídos por áreas de floresta fragmentada e vegetação secundária a uma taxa de 5,49 ha/km²; e pastagens a uma taxa de câmbio mais alta de 6,14 ha/km². Foram registrados 1163 eventos de incêndio, distribuídos entre os períodos de 2016 (370), 2017 (292) e de janeiro a março de 2018 (501), concentrados principalmente no noroeste da região, em direção à cordilheira de Macarena em El Meta, que também é mostrado como um foco ativo de desmatamento na região.

Esses incêndios ocorreram principalmente na cobertura de pastagens, triplicando a proporção dada em outras coberturas e nas frentes de cobertura florestal no noroeste e sul da área de estudo. Nas pastagens, os incêndios estão ligados à prática comum de "roçar e queimar" para o manejo do solo e a transição das culturas. Em áreas florestais, demonstra seu uso para tornar mais eficiente o processo de desmatamento e subsequente estabelecimento de pastagens.

Vista aérea da área de estudo

Não apenas esse grau de desmatamento e homogeneização de coberturas têm efeitos devastadores sobre a biota, mas também a frequência desses eventos de incêndio significa que os ecossistemas afetados não podem se recuperar sozinhos e são constantemente confrontados com uma extensão crescente de área de queima, o que aumenta a incerteza sobre o estado da floresta nos próximos anos e sobre os efeitos em cadeia que seriam desencadeados por essa degradação das florestas que usam fogo nesta região.

Artigo original disponível em: https://revistas.unal.edu.co/index.php/actabiol/article/view/72435

Foto

Ángela Gutiérrez C

emailangela.gutierrez@revistabioika.org

De acordo com minha formação na educação pública, acredito na necessidade de fazer acessível para todos, os resultados das pesquisas científicas. O que é feito? Para que serve? Como posso contribuir? Acredito que o trabalho multidisciplinar é a chave para propor soluções que possam gerar uma sociedade justa, sustentável e igualitária.

Foto

Alexandrina Pujals

emailale.pujals@revistabioika.org

Bióloga, especialista em Planejamento Ambiental, Gestão dos Recursos Naturais e Mestre em Ciências Ambientais. Acredito que o conhecimento científico tem valor maior quando compartilhado e popularizado. A divulgação torna esse conhecimento acessível ao público, alinhando argumentos e ideias que busquem a conservação do meio ambiente.

Foto

Amanda Cantarute

emailamandacantarute@revistabioika.org

Bióloga e mestranda em Ecologia de Ambientes Aquáticos Continentais pela Universidade Estadual de Maringá. Acredito que por meio da socialização do conhecimento científico podemos formar cada vez mais pessoas empoderadas, justas e conscientes do seu verdadeiro e importante papel no mundo.

Foto

Ana Marcela Hernández Calderón

emailana.hernandez@revistabioika.org

Comunicadora social e jornalista da Universidad de la Sabana com 19 anos de experiência na área editorial. Estou convencida de que compreender a nossa mãe Terra e descobrir todas as suas mecânicas de vida, pode nos dar pistas e motivação para cuidar dela. É por isso que é indispensável que todos nós possamos acessar essa informação.

Foto

David González

emaildavid.gonzalez@revistabioika.org

Publicitário, fã da linguagem escrita e audiovisual. Acredito que a ciência, a tecnologia, a arte e a comunicação têm o poder de criar bem estar, toda vez que estejam ao serviço da cultura, do cuidado do entorno e das causas mais generosas.

Foto

Lucas Waricoda

emaillucas_nobuo@revistabioika.org

Músico e jornalista, já fiz um pouco de tudo nessa vida – o suficiente pra saber com quem e pelo que me entregar. Passei por jornais impressos, digitais, revistas, rádios, agências de publicidade e continuo tentando aprender a aliar tudo isso com a rotina maluca de uma banda autoral independente.


Você tem algo a dizer? Comente!

As opiniões registradas aqui pertencem aos internautas e podem não refletir a opinião da Revista Bioika. Este é um espaço aberto para a manifestação da opinião dos leitores, porém nos reservamos ao direito de remover os comentários que sejam considerados inadequados. Obrigado pela sua participação!


event_available Lançamentos

loyaltyInscreva-se


notifications_none Recentes


folder_special Favoritos


Origem da Revista Bioika