Evidências apontam que estamos ingerindo microplástico


bookmark_border Favoritos

As primeiras evidências de microplásticos nos organismos humanos trazem novamente o alerta sobre as consequências do uso exagerado e descarte incorreto de plástico.

Foto

Bárbara Angélio Quirino

emailbarbara_aq@hotmail.com

Bióloga, mestre em ecologia pela Universidade Estadual de Maringá e doutoranda no mesmo programa. As pequenas ações individuais são primordiais, mas somente quando estendemos nosso conhecimento para outras pessoas e unimos forças é que, de fato, podemos revolucionar o mundo.



share Compartilhar expand_more

Pequenos pedaços de plástico, conhecidos como “microplásticos”

O uso exagerado de descartáveis plásticos, o descarte incorreto, a lenta degradação (que alcança 400 anos) e a pouca reciclagem têm provocado o acúmulo de plástico no ambiente aquático, como já vimos na edição passada.

A econotícia de hoje chama a atenção de toda população para um problema grave e pouco percebido por nós. Com o tema...

Publicado por Revista Bioika Brasil en Sábado, 27 de mayo de 2017

No ambiente, esse material é enfraquecido e acaba se deteriorando em partículas cada vez menores (menos de 5 mm de diâmetro), os chamados “microplásticos”. Existem também os microplásticos que já são produzidos em tamanho reduzido, como esfoliantes faciais e glitter. Essas partículas estão se acumulando nos rios e oceanos, já foram encontradas em diversos organismos como peixes, crustáceos, mexilhões, tartarugas, aves e baleias. Além disso, em diversos produtos de consumo humano, como cosméticos, sal, mel e água mineral. 

Apesar das suspeitas, somente em outubro desse ano foi confirmada pela primeira vez a presença de microplásticos em fezes humanas. Um estudo realizado na Universidade de Medicina de Viena em parceria com a Agência Ambiental da Áustria analisou as fezes de oito pessoas de oito países diferentes e encontraram microplásticos em todas as amostras. Foram identificados até nove tipos diferentes, incluindo partículas de polipropileno (PP) e polietileno tereftalato (PET), que são matérias-primas de embalagens e garrafas plásticas.

Ainda é cedo para saber a consequência da ingestão dessas partículas pelos seres humanos, mas sabe-se que algumas partículas podem ser tóxicas ou servirem de substrato para aderência de produtos químicos e patógenos. Estudos com outros animais apontam que os microplásticos causam danos na resposta imunológica do sistema digestivo, e podem entrar na corrente sanguínea, no sistema linfático e atingir o fígado.

A preocupação com o meio ambiente e a saúde humana fez com que atualmente algumas cidades proibissem o uso de descartáveis. Você conhece outros impactos do descarte de plástico no meio ambiente? Você conhece ações governamentais para reverter essa situação? Conte pra gente! 

Isso foi útil?

Para mais informações:

  1. https://brasil.elpais.com/brasil/2018/10/22/ciencia/1540213637_935289.html
  2. https://www.bbc.com/portuguese/geral-45950722
  3. https://epocanegocios.globo.com/Caminhos-para-o-futuro/noticia/2018/07/microplasticos-os-viloes-da-natureza.html
  4. https://www.publimetro.cl/cl/noticias/2018/12/13/cervezas-miel-agua-embotellada-mariscos-peces-ahora-la-sal-los-alimentos-consumimos-los-humanos-contienen-microplasticos.html
  5. https://www.elsoldetampico.com.mx/doble-via/ciencia/confirmado-estamos-ingiriendo-microplasticos-2784337.html

Foto

Rosa Maria Dias

emailrosa.dias@revistabioika.org

Bióloga com Doutorado em Ecologia pela Universidade Estadual de Maringá (PEA/UEM). Considero que só através da socialização do conhecimento poderemos alcançar uma sociedade mais justa. Tenho grandes e diversos sonhos! Um deles é acreditar que a educação amplia as almas e recria os horizontes; é a alavanca das mudanças sociais!

Foto

Anielly Oliveira

emailanielly.oliveira@revistabioika.org

Bióloga por paixão, acredito que o conhecimento científico gerado na academia deve buscar meios de encontrar a sociedade. Quanto mais isso for feito, menos políticas errôneas serão adotadas pelos tomadores de decisões.

Foto

Alfonso Pineda

emailalfonso.pineda@revistabioika.org

Sou biólogo colombiano morando no Brasil. Acredito que qualquer uma das áreas do conhecimento pode contribuir para a melhoria da vida dos demais, e que a educação é uma ferramenta poderosa. Além disso, acredito que o acesso a informação permite às pessoas maior protagonismo social.


library_booksVersão PDF



notifications_none Recentes

loyaltyInscreva-se grátis


event_available Lançamentos

alarm_onNotificações

expand_more bookmark_border Favoritos
"