O clamor pela sustentabilidade


Muitos países, principalmente os da União Europeia, importam matéria prima (como recursos minerais, vegetais ou agrícolas) de países em desenvolvimento. Para tal comércio, exigem que os países exportadores também tenham práticas sustentáveis fundamentadas nos princípios de respeito ao meio ambiente, aos direitos e à dignidade humana.

  • Foto

    Angelo Antonio Agostinho

    emailagostinhoaa@gmail.com

    Biólogo, PhD em Ecologia e Recursos Naturais pela Universidade Federal de São Carlos (1985), professor da Universidade Estadual de Maringá, membro do conselho consultivo do Instituto Nacional de Limnologia e pesquisador 1A do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Brasil.

  • Foto

    Anielly Oliveira

    emailanielly.oliveira@revistabioika.org

    Bióloga por paixão, acredito que o conhecimento científico gerado na academia deve buscar meios de encontrar a sociedade. Quanto mais isso for feito, menos políticas errôneas serão adotadas pelos tomadores de decisões.



share Compartilhar expand_more

<i>Commodities</i> exportadas por países em desenvolvimento.

“Tornem o comércio entre União Europeia e Brasil sustentável”. Esse foi o nome do artigo publicado na revista Science no dia 26 de abril de 2019, por um grande grupo de cientistas europeus.

Os países da União Europeia são grandes importadores das commodities do Brasil, isto é, produtos primários com preços geralmente definidos pelo mercado financeiro, como recursos minerais, vegetais ou agrícolas (petróleo, carvão mineral, soja, cana-de-açúcar e outros). Mas a extração desses recursos gera grandes danos ambientais, como desmatamento e as tragédias causadas pelas mineradoras, como os desastres de Mariana e Brumadinho, só para citar alguns. Além disso, a destruição desenfreada do meio ambiente ameaça os povos indígenas e as áreas que eles protegem.

Diante da perda de políticas públicas que combatem o desmatamento e que retiram direitos humanos no atual cenário brasileiro, os cientistas europeus clamam para que as importações sejam condicionadas a um comércio sustentável. “Os ecossistemas brasileiros, ou seja, florestas, áreas úmidas, cerrado, são cruciais para uma grande diversidade de povos indígenas, para estabilidade do clima global e para a conservação da biodiversidade”, argumenta Laura Kehoe, cientista que liderou o artigo. Os autores destacam ainda que a União Europeia é fundada sobre princípios de respeito aos direitos e à dignidade humana, e que exigências de um comércio sustentável são a oportunidade de se tornarem líderes globais de sustentabilidade.


É importante destacar que o Brasil é o maior exportador de commodities da América do Sul, mas que compartilha destes mesmos problemas ambientais com seus países vizinhos. A necessidade de um comércio mais sustentável estende-se assim por todo o continente, na busca pela preservação da biodiversidade e de sociedades mais justas e igualitárias.

Mais informações:
Kehoe1, L., Reis T., Virah-Sawmy, M., Balmford, A., Kuemmerle, T., and 604 signatories. Make EU trade with Brazil sustainable. Science, 26 Apr 2019: vol. 364, Issue 6438, pp. 341 DOI: 10.1126/science.aaw8276 


Foto

Rosa Maria Dias

emailrosa.dias@revistabioika.org

Bióloga com Doutorado em Ecologia pela Universidade Estadual de Maringá (PEA/UEM). Considero que só através da socialização do conhecimento poderemos alcançar uma sociedade mais justa. Tenho grandes e diversos sonhos! Um deles é acreditar que a educação amplia as almas e recria os horizontes; é a alavanca das mudanças sociais!

Foto

David González

emaildavid.gonzalez@revistabioika.org

Publicitário, fã da linguagem escrita e audiovisual. Acredito que a ciência, a tecnologia, a arte e a comunicação têm o poder de criar bem estar, toda vez que estejam ao serviço da cultura, do cuidado do entorno e das causas mais generosas.

Foto

Mirtha Amanda Angulo Valencia

emailmirtha.angulo@revistabioika.org

Bióloga pela Universidade do Cauca (Colômbia). Estudante de Doutorado em Ciencias Ambientais na Universidade Estadual de Maringá (Brasil). Acredito que a socialização dos estudos ecológicos, pode nos ajudar a criar consciência da importância dos nossos recursos naturais e dessa forma garantir seu cuidado e preservação.

Foto

Oscar Pelaez

emailopelaez@revistabioika.org

Biólogo, Mestre em Ciências ambientais e Doutor em Ciências. Atua na área de pesquisas em ecologia, com ênfase em ecologia de peixes, diversidade funcional e filogenética.


library_booksVersão PDF



bookmark_border Favoritos


notifications_none Recentes

loyaltyInscreva-se grátis


event_available Lançamentos

alarm_onNotificações