Entrevista: Como a ciência e a tecnologia resolvem nossos problemas do dia a dia?


Uma analista de dados sobre imunoterapia, um programador e ativista pelo acesso aberto e a ciência cidadã, e uma especialista em ecologia de microrganismos, contam como desde seu campo de trabalho abordam a solução de problemas da sociedade.



share Compartilhar expand_more

01:10 – Apresentação de convidados e convidadas

Nesta entrevista fomos acompanhados pelo engenheiro Antonio Vanegas, e pelas doutoras Martha Liliana Serrano e Natalia Sierra. Informações sobre suas redes sociais podem ser encontradas na descrição do vídeo do youtube.

02:56 – Como vocês decidiram o caminho académico que seguiram? O que lhes inspirou?

Nesta entrevista podemos ver o que inspirou nossos convidados, quando crianças, a seguirem seu caminho profissional. O exemplo e a motivação das famílias parecem ter sido fundamentais para a trajetória profissional que seguiram.

10:43 – Como eles se sentem quando explicam o que fazem com pessoas que não sabem sobre ciência ou tecnologia?

Nossos convidados concordam que é um desafio explicar os temas em que trabalham devido à natureza técnica e especializada de qualquer área do conhecimento. Antonio sugere que a complexidade pode ser encontrada em todas as áreas e Natalia complementa afirmando que "[nós] somos especialistas em uma área, mas continuamos sendo ignorantes em outras".

Eles também concordam com a importância de facilitar a mensagem e explicações sobre temas científicos e tecnológicos. Eles comentaram sobre o uso de analogias para explicar alguns procedimentos em sua área. Martha comenta que "se diz que a melhor maneira de saber se você sabe sobre um tema é tentar explicá-lo para uma pessoa que não sabe sobre [tal] tema”. Além disso, ela nos contou a anedota de como explicou à mãe dela o procedimento para realizar uma PCR (reação em cadeia da polimerase - procedimento para obter cópias de um fragmento de DNA) comparando-o com uma receita que deve ser seguida à risca para obter o resultado desejado.

19:14 – No que está trabalhando agora?

Nesta parte da entrevista nossos convidados nos contam no que estão trabalhando no momento. Natalia comentou sobre o uso de microrganismos do solo que favorecem o crescimento de plantas em situações adversas, como no caso de solos com alta salinidade. A questão é de vital importância porque aborda o problema das mudanças nas características do solo associadas às mudanças climáticas e à dificuldade de produzir alimentos nessas circunstâncias.

O Antonio nos contou sobre sua experiência no mundo da criação de aplicativos para celulares e dispositivos eletrônicos, e como eles podem ser usados para conhecer o meio ambiente. Além disso, como qualquer pessoa pode usá-los, são uma excelente maneira de envolver a sociedade em atividades de ciência cidadã. Por exemplo, o aplicativo CanairIO (https://canair.io) é usado para medir a qualidade do ar, tem tido financiamento da União Europeia e atualmente é usado em vários países.

Por sua vez, Martha conta-nos sobre a sua experiência de trabalho na indústria farmacêutica e destaca o papel da ciência para o desenvolvimento dessa indústria. Destaca o valor das informações disponíveis em relação às terapias oncológicas. Indica que a análise desses dados pode ser utilizada para entender o efeito de novos tratamentos e a resposta dos pacientes. As projeções derivadas dessas análises economizam tempo de pesquisa e estabelecem caminhos experimentais para o desenvolvimento de novos medicamentos.

30:50 – Você poderia explicar como seu campo contribui para a solução de problemas mundiais?

Antonio destaca o papel da ciência aberta, na qual a troca de informações é otimizada. Ele explica que iniciativas como a CanairIO, por exemplo, que envolvem mais pessoas no processo de coleta de dados ambientais, permitem que o volume de dados disponíveis seja muito maior. Consequentemente, os pesquisadores têm mais material para poder responder suas questões científicas e conseguir resolver problemas sociais, como os relacionados à qualidade do ar.

Natalia explica a importância da ciência básica e como ela é fundamental para a resolução de problemas. Ele também destaca a iniciativa de Antonio e comenta que "é um desafio envolver pessoas na coleta de dados". Ela explica que por muito tempo a ciência esteve focada em áreas como física e química, mas que hoje é importante aumentar a atenção aos recursos biológicos. No seu caso, a Natalia explica que o estudo dos microrganismos permitirá resolver problemas relacionados à perda de qualidade do solo e permitirá o crescimento das plantas em regiões aonde antes não era possível.

Martha fala sobre como os últimos desenvolvimentos farmacêuticos apontam para terapias personalizadas, porque "[...] o mesmo tratamento [não] é o certo para todos aqueles que sofrem de uma doença." Entendendo que as doenças podem ser diferentes em cada pessoa, a ideia é identificar o melhor tratamento para cada caso. Um importante aliado para o desenvolvimento dessas tecnologias é a análise de dados existentes (produtos de experimentos realizados por vários grupos de pesquisa no mundo), o hardware disponível e os algoritmos de análise que foram desenvolvidos.

50:24 – Qual é a sua opinião sobre o investimento em educação e ciência?

Nossos convidados comentam que os países latino-americanos têm capital humano treinado para desenvolver pesquisas de alto impacto e que é necessário aumentar os recursos destinados à pesquisa. Eles sugerem que um maior investimento em ciência em tecnologia permite que os países avancem no seu desenvolvimento e resolvam problemas, como a recente pandemia COVID-19. Por sua vez, Antonio resgata que os investimentos também devem garantir a disponibilidade de informações, por meio de propostas de ciência cidadã.


Foto

Alfonso Pineda

emailalfonso.pineda@revistabioika.org

Sou biólogo colombiano morando no Brasil. Acredito que qualquer uma das áreas do conhecimento pode contribuir para a melhoria da vida dos demais, e que a educação é uma ferramenta poderosa. Além disso, acredito que o acesso a informação permite às pessoas maior protagonismo social.

Foto

David González

emaildavid.gonzalez@revistabioika.org

Publicitário, fã da linguagem escrita e audiovisual. Acredito que a ciência, a tecnologia, a arte e a comunicação têm o poder de criar bem estar, toda vez que estejam ao serviço da cultura, do cuidado do entorno e das causas mais generosas.

Foto

Ángela Gutiérrez C

emailangela.gutierrez@revistabioika.org

De acordo com minha formação na educação pública, acredito na necessidade de fazer acessível para todos, os resultados das pesquisas científicas. O que é feito? Para que serve? Como posso contribuir? Acredito que o trabalho multidisciplinar é a chave para propor soluções que possam gerar uma sociedade justa, sustentável e igualitária.

Foto

Rodrigo Alejandro Vallejo

emailalejo.vallejo@revistabioika.org

Eu sou estudante do sexto semestre de Design Gráfico na Universidade Piloto da Colômbia e apaixonado pela animação digital. Me empolga poder aprender e contribuir a este projeto bilíngue que busca promover o cuidado do meio ambiente e o conhecimento da biodiversidade da América Latina.


library_booksVersão PDF



bookmark_border Favoritos


notifications_none Recentes

loyaltyInscreva-se grátis


event_available Lançamentos

alarm_onNotificações