Áreas úmidas do altiplano Sul-Americano: características e ameaças


A importância das áreas úmidas para a manutenção da biodiversidade e da vida no planeta.

Foto

Diego Frau

emaildiegofrau@gmail.com

Biólogo, trabalho como pesquisador no Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (CONICET) na Argentina. Especialista no estudo de comunidades fitoplanctônicas de águas interiores e sua resposta a diferentes fatores de origem antrópica que afetam esses ecossistemas. Tudo isso com o objetivo de contribuir para o planejamento de estratégias de gestão ambiental e uso sustentável dos sistemas aquáticos.



share Compartilhar expand_more

Área úmida

Após os incêndios florestais ocorridos em 2020, e de forma massiva na Argentina e na região amazônica do Brasil, Bolívia e Peru, palavras como "áreas úmidas", "conservação", "uso sustentável" e "inventário de áreas úmidas" se tornaram frequentes. Como costuma acontecer com esse tipo de fenômeno, o tema se tornou viral nas redes sociais e comum de conversas. Mas, sabemos realmente o que é uma área úmida? Você sabia que existem muitos tipos de áreas úmidas, além daqueles que sofreram grandes incêndios, como os ligados à altas montanhas?

Atualmente, existe um interesse crescente em aprofundar o conhecimento sobre as paisagens das áreas úmidas e a sua conservação, tendo como objetivo maior ações de reabilitação destes sistemas para garantir os serviços ambientais que oferecem. Por exemplo, é importante mencionar que cerca de 5% da superfície terrestre é coberta por áreas úmidas e elas podem ser encontradas em todos os continentes, exceto na Antártica. Contudo, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico e União Internacional para Conservação da Natureza (OCDE / IUCN) estimam que cerca de 64% das áreas úmidas do planeta foram perdidas desde 1900, embora as perdas em países altamente desenvolvidos ou regiões densamente povoadas possam exceder 70-90%.

5% da superfície terrestre é coberta por áreas úmidas e elas podem ser encontradas em todos os continentes, exceto na Antártica.

Com a tendência de crescimento da população mundial, o aumento da pressão sobre os recursos hídricos e as ameaças das mudanças climáticas, nunca foi tão importante estabelecer estratégias que priorizem a conservação desses ecossistemas e maximizem os benefícios que eles nos proporcionam. No entanto, não podemos preservar e valorizar o que não sabemos. O objetivo deste artigo é aprofundar o conhecimento das zonas úmidas e, em particular, das áreas úmidas em grande altitude.

O que são as áreas úmidas?

Foto com flamingos

De modo geral, área úmida é uma região de superfície terrestre temporariamente ou permanentemente inundada, que pode ser doce, salgada ou salobra e que se constitui como um ecossistema de transição, de pouca profundidade e que frequentemente está associada a vegetação adaptada às condições de anoxia e estresse hídrico, conhecidas como vegetação hidrofílica.

Existem mais de 50 definições de áreas úmidas, talvez a mais conhecida seja a proposta pela Convenção de áreas úmidas de importância internacional conhecida como RAMSAR que atualmente reúne 171 países signatários. Esta definição estabelece que qualquer área de terra que está saturada ou inundada com água em uma base sazonal ou permanente é uma área úmida.

As áreas úmidas interiores incluem aquíferos, lagos, rios, riachos, marismas, pântanos, lagoas, planícies aluviais e pântanos. As áreas úmidas costeiras incluem todo o litoral, manguezais, marismas, estuários, lagoas ou lagoas costeiras, pradarias marinhas e recifes de coral. No entanto, esta definição proposta por RAMSAR, sendo tão ampla, às vezes se torna confusa e impraticável ao decidir se um corpo d'água pode ou não ser considerado uma área úmida. É por isso que alguns países que aderem à convenção RAMSAR geraram suas próprias definições, baseadas na definição original. Aqui seguem alguns exemplos:

  • arrow_drop_down
    Bandeira
    Argentina

    Uma área úmida é um ambiente no qual a presença temporária ou permanente de água superficial ou subterrânea causa seus próprios fluxos biogeoquímicos que são diferentes dos ambientes terrestres e aquáticos. As características distintivas são a presença de biota adaptada a essas condições, comumente plantas hidrofílicas e / ou solos hídricos ou substratos com características de hidromorfismo.

  • arrow_drop_down
    Bandeira
    Brasil

    As áreas úmidas são ecossistemas de transição entre os ambientes aquático e terrestre. Podem ser continentais ou costeiros, naturais ou artificiais, permanentes ou periodicamente inundados por águas rasas, ou consistem em solos inundados. Suas águas podem ser doces, salgadas ou salobras. As áreas úmidas hospedam comunidades de plantas e animais adaptadas à sua dinâmica hidrológica.

  • arrow_drop_down
    Bandeira
    Chile

    Entende-se por área úmida os ecossistemas associados a substratos saturados de água de forma temporária ou permanente em que se desenvolve a biota aquática e que foram declarados Sítios Prioritários de Conservação pela Comissão Nacional do Meio Ambiente ou sítios RAMSAR. Para fins de delimitação, considera-se a presença e extensão da vegetação hidrofílica ou a presença de outras expressões da biota aquática.

  • arrow_drop_down
    Bandeira
    Estados Unidos

    Áreas úmidas são áreas inundadas ou saturadas por águas superficiais ou subterrâneas com frequência e duração suficientes para sustentar a vegetação normalmente adaptada para a vida em condições de solo saturado de água. As áreas úmidas geralmente incluem pântanos, pântanos e áreas semelhantes.

Todas essas definições acima mencionadas têm como objetivo principal permitir aos tomadores de decisão decidir sobre a delimitação espacial e temporal das áreas úmidas existentes nas diferentes jurisdições do estado, os usos permitidos; além de ser capaz de lançar as bases para seu monitoramento e controle ambiental. Particularmente neste artigo, pretendemos enfocar nas zonas úmidas de grande altitude — um grupo de áreas úmidas muito particulares, frequentemente pouco conhecidas e que normalmente não estão incluídas no imaginário coletivo.

Áreas úmidas do planalto andino

Laguna Alumbrera

De particular importância são as áreas úmidas do planalto andino, região conhecida como Puna. Área que não conhece fronteiras políticas e estão distribuídas em uma extensa planície, localizada a mais de 3.600 metros acima do nível do mar que ocupa parte do noroeste da Argentina, oeste da Bolívia, parte do norte do Chile e parte sul do Peru.

Pastagens da América do Sul

A importância das áreas úmidas de altitude reside no fato de se constituírem como o local onde surgiram várias civilizações e onde se deu a domesticação de plantas, como a batata, e de animais, como a lhama e a alpaca. Suas características ambientais e ecológicas a tornam uma região natural única no continente. Neste artigo, iremos nos concentrar na compreensão das principais características desses pântanos de alta altitude, talvez menos conhecidos, mas severamente ameaçados pela atividade humana e mudanças climáticas.

A importância das áreas úmidas de altitude reside no fato de se constituírem como o local onde surgiram várias civilizações e onde se deu a domesticação de plantas, como a batata, e de animais, como a lhama e a alpaca.

Quando falamos de pântanos de altitude, estamos nos referindo a uma série de ecossistemas que hospedam diversidade de vegetação própria. Esses ecossistemas também se constituem como local de alimentação, descanso e reprodução de inúmeras aves aquáticas e de outros vertebrados, muitos deles endêmicos, ou seja, só podem ser encontrados nesses locais.

Uma característica comum a todas as zonas úmidas do altiplano é que a origem das águas é principalmente subterrânea, originada pelo efeito do descongelamento dos picos elevados ou, na maioria dos casos, proveniente de águas acumuladas em aquíferos subterrâneos há centenas ou milhares de anos. Na verdade, a água fóssil mais antiga conhecida até agora data de 2 milhões de anos e foi encontrada sob um local de mineração no Canadá.

No planalto, porém, quando falamos de água fóssil, nos referimos a água que se acumulou sob a superfície há milhares ou algumas centenas de anos, quando o clima na região era mais úmido. É, no entanto, considerado um recurso não renovável, uma vez que a taxa de recuperação de água em aquíferos de grande altitude em regiões áridas pode levar centenas de anos.

Entre as áreas úmidas do altiplano, destacam-se três tipos principais: a) evaporítico, como as salinas; b) afloramento subterrâneo, como as vegas e bofedales e; c) escoamento superficial, que são as lagoas.

As salinas

As maiores salinas do mundo estão localizadas nas terras altas da América do Sul. Elas são formadas no fundo das bacias endorreicas, onde a taxa de evaporação excede, em muito, a da precipitação em um processo que ocorre em escalas de tempo geológicas.

Ilustração vetorial da bacia endorreica

Nessas bacias, a água não escoa em direção ao mar (como ocorre nas bacias exorreicas, como o rio Amazonas ou o rio Paraná), mas tende a se concentrar em vales formados entre as cordilheiras. Esses vales geralmente têm o formato de uma fonte ou balde.

Durante o processo de formação do sal, os sais são transportados pelo escoamento superficial, pelo efeito do vento ou pelo transporte por águas subterrâneas. Ocasionalmente, também pode haver fluxos de água permanentes ou intermitentes, como riachos, rios e torrentes que descarregam suas águas ricas em sal em direção ao centro da salina. Assim, os sais podem ter diferentes origens; alguns provêm da erosão de rochas, outros da atividade vulcânica e outros são mobilizadas de grandes profundidades através de fluxos magnéticos, que tendem a se assentar gradativamente e preencher, aos poucos, o fundo da bacia.

Em uma salina madura, os sais menos densos (tipicamente cloreto de sódio ou sais de gesso) são mais frequentemente depositados na superfície misturados com uma camada de argila e sedimentos. Ocasionalmente, dentro das salinas, podem se formar lagoas que aumentam de profundidade em direção ao centro, lagoas rasas ou poços d'água que se formam quando uma parte da crosta seca que cobre a camada de salmoura se dissolve. Estas últimas têm paredes verticais e vários metros de profundidade.

As salinas têm grande importância cultural, pois são utilizadas pelas comunidades indígenas para a extração artesanal de sal, mas também adquirem valor comercial, pois em muitas delas a extração de sais é produzida industrialmente, como o sal de cozinha que todos nós usamos todos os dias (cloreto de sódio) ou outros sais, como boro, potássio e, particularmente, lítio. Telefones celulares, laptops e câmeras digitais, entre muitos outros dispositivos eletrônicos que usamos todos os dias, dependem de baterias de lítio hoje. Por sua vez, a tendência atual de produção de automóveis híbridos ou totalmente elétricos, uma nova, crescente e preocupante demanda global por lítio.

Nas salinas localizadas na Argentina, Chile e Bolívia, 85% das reservas mundiais de lítio são encontradas atualmente em salmoura. Em outros lugares, como Austrália e África, o lítio também é extraído de rochas pegmatíticas (de origem vulcânica), concentrando cerca de 15% do lítio disponível no mundo. Nesse caso, a extração é um processo caro e altamente poluente que exige o uso de explosivos, grandes volumes de água, lixiviação em ácido sulfúrico, calcinação com sais de sulfato e liberação de gases de combustão.

 No que diz respeito à extração de lítio nas salinas, o método mais utilizado é o denominado tipo evaporítico, e consiste no bombeamento de salmoura (água subterrânea misturada com sal) em profundidades entre 40 e 400 metros. Essa salmoura, rica em água e sais, é então depositada em enormes piscinas evaporíticas rasas, escavadas e cobertas com plástico PVC que ficam expostas à luz solar.

Nas salinas localizadas na Argentina, Chile e Bolívia, 85% das reservas mundiais de lítio são encontradas atualmente em salmoura.

O processo de evaporação da água pode durar entre 6 e 24 meses dependendo das condições climáticas (pressão, radiação incidente e temperatura). Em seguida, a crosta de sal obtida, que contém uma mistura de sais ricos em lítio, é transportada para as fábricas de processamento, onde o magnésio que a mistura pode conter é primeiro removido usando cal virgem e, em seguida, o carbonato de lítio é precipitado usando carbonato de sódio. O processo pode exigir processos de purificação anteriores e subsequentes para aumentar a pureza do carbonato de lítio, uma matéria-prima que é então usada para a produção de baterias de lítio e outros produtos.

O processo de extração e processamento do lítio produz graves impactos ambientais, principalmente locais. Os campos de mineração, as estradas que se abrem por meio de ecossistemas de alta montanha imaculados e as piscinas evaporíticas produzem alterações na paisagem que são irremediáveis. O PVC de piscinas evaporíticas pode liberar substâncias nocivas para o meio ambiente, como corantes, estabilizantes ou retardantes típicos do plástico.

Por sua vez, a produção de carbonato de lítio requer enormes quantidades de água doce, que é escassa nesses ecossistemas áridos de alta montanha. Em números concretos, estima-se que para a produção de uma tonelada de lítio sejam necessários dois milhões de litros de água doce, também cerca de dez milhões de litros de água evaporando nas piscinas evaporíticas. Água que retorna ao ciclo das águas, mas não necessariamente retorna ao alto sistema andino, mas é transportada por correntes de ar para outras latitudes.

Vegas e bofedales

Essas áreas úmidas, também chamadas de "mallines" em outras regiões, são formadas por afloramentos de água subterrânea e caracterizam-se por serem ecossistemas azonais. Isso significa que eles apresentam uma vegetação própria e diferente do resto do ecossistema do deserto de alta altitude que os rodeia. Em ambos os casos, a água subterrânea tende a fluir em direção à superfície; a vegetação sendo adaptada a níveis mais elevados de umidade do solo, ou tendo a capacidade de suportar solos permanentemente inundados com água e com baixas concentrações de oxigênio. A salinidade da água nesses sistemas é altamente variável, podendo ser doce, salgada ou mesmo salobra, dependendo das águas subterrâneas que os alimentam e das condições climáticas e geológicas que as acompanham.

Os pântanos de altitude, ao contrário dos que se encontram na Patagônia argentina, comumente chamados de "Turberas" ou "Páramos", que são pântanos frequentes em outras regiões andinas da Colômbia ou do Equador, caracterizam-se por seu micro relevo fortemente ondulado, por onde corre a água entre canais e lagoas que estão interligadas ou que também podem estar isoladas.

Os pântanos de altitude(,) caracterizam-se por seu micro relevo fortemente ondulado, por onde corre a água entre canais e lagoas que estão interligadas ou que também podem estar isoladas.

A vegetação dominante nas áreas úmidas são espécies da família do junco, como Distichia muscoides, comumente conhecida como ampa, lacsa-lacsa, huaricha, ñajcha-ñajcha, palkash, kunkuna ou totorilla, Oxychloe andino (packo ou paco macho) e Patosia clandestina (almofada champón ou vega).

O micro relevo ondulado não é característico nas vegas, sendo a vegetação associada e a distribuição da água muito mais variada. Nesse sentido, quando falamos de vegas, podemos encontrar aqueles em que o solo está inundado de água porque o lençol freático está ao nível do solo (vegas tipo A). Em outros casos, é possível encontrar prados onde a água flui principalmente em canais muito rasos (tipo B) ou aquelas vegas onde o nível do lençol freático está abaixo da superfície e só podemos identificar que estamos em frente a uma planície pelo tipo de vegetação que aparece (tipo C). Na maioria das vezes, os três tipos de vegas coexistem e podemos encontrar manchas espalhadas com um ou outro tipo.

No caso das vegas, a vegetação associada depende muito da disponibilidade de água e da salinidade do solo. As gramíneas tendem a dominar, como Deschampsia cespitosa (coirón ou arbusto de grama), Deyeuxia velutina (champa) e várias espécies de Festuca (palha selvagem).

Tanto as vegas quanto os bofedales podem aparecer isolados dentro da matriz desértica, na base dos cones aluviais, nas margens de riachos e rios, ou, como veremos a seguir, conectados a lagoas de grande altitude.

Os bofedales e as vegas são ecossistemas essenciais para a sobrevivência de numerosas espécies desérticas de grande altitude, como vicunhas, guanacos, roedores e espécies de predadores como raposas e pumas que utilizam esses locais para obter água e alimentos. Para muitas comunidades indígenas, esses ambientes também se constituem como locais de criação de gado e obtenção de água para consumo; também é local de povoamento de inúmeras vilas e cidades que utilizam estes ecossistemas para fins turísticos, para a atividade agrícola e pecuária, obtenção de energia e obtenção de água potável.

As planícies e pântanos da região andina são sistemas altamente suscetíveis que dependem fortemente do balanço hídrico. Entre as principais ameaças a esses ecossistemas estão o pastoreio e a extração de água para consumo humano, usos agrícolas e pecuários e usos industriais, como o uso de água que requer o processamento de carbonato de lítio. Outros impactos o constituem, por exemplo, o traçado de estradas e caminhos e outros movimentos de solo que alteram o relevo e, portanto, o movimento da água. Existem também impactos indiretos, como modificações em riachos naturais e riachos, com inundações ou ressecamento de setores. Quando uma planície ou pântano seca, ocorre um processo de degradação de todo o ecossistema que leva a mudanças como alteração do sistema de drenagem, salinização e erosão do solo pela água ou vento e finalmente a perda da cobertura vegetal. Essas mudanças podem ser irreversíveis.

As lagoas

Finalmente, as lagoas, que como as salinas se formam no fundo das bacias endorreicas, podem secar ou mesmo congelar durante a estação mais seca ou durante o inverno. Os altos Andes não são verdadeiras lagoas, não existe uma região litorânea bem definida e uma região mais profunda. Isso torna sua designação como "lagoas" um tanto confusa. Ao contrário das verdadeiras lagoas, estas áreas úmidas são constituídas como grandes piscinas (frequentemente com mais de 30 ou 50 ha de superfície), têm formas irregulares e são geralmente alimentadas pelo escoamento superficial de vegas e áreas úmidas próximas.

As lagoas também podem ser alimentadas por chuvas ocasionais que aumentam ainda mais sua extensão. Esses sistemas variam muito em sua concentração de sais, podendo ter algumas concentrações de sais próximas ou superiores à água do mar (média de 35 g / L) e outros possuem concentrações de sal muito baixas que podem ser consideradas como água doce. No entanto, o mais comum é terem salinidades intermediárias (entre 10 e 20 g/L).

As lagoas de grande altitude constituem locais de grande relevância para a sobrevivência de numerosas espécies de aves endêmicas, como os flamingos andinos e várias espécies de aves tarambolas que migram do hemisfério norte durante o verão. Outras espécies de pássaros, como várias espécies de patos andinos e alfaiates, também são usuários frequentes dessas áreas úmidas que são usadas para se reproduzir, descansar ou se alimentar.

As áreas úmidas de grande altitude, constituem-se em ecossistemas com inúmeras funções ecológicas, entre as quais se destacam a fixação de dióxido de carbono, a fixação de solos, a regulação do microclima, sendo o ponto de recarga de aquíferos e tornando-se habitat de inúmeras espécies de animais e plantas, muitos deles endêmicos nessas áreas. Esses ecossistemas também fornecem alimentos, água e têm um valor paisagístico único para as pessoas que vivem nas terras altas, tendo também um alto valor turístico. No entanto, esses ecossistemas estão atualmente muito ameaçados pela atividade humana.

Esses ecossistemas também fornecem alimentos, água e têm um valor paisagístico único para as pessoas que vivem nas terras altas, tendo também um alto valor turístico.

A exploração dos aquíferos, a poluição e principalmente, a atividade mineradora, constituem as principais ameaças que põem em perigo a subsistência das áreas úmidas do altiplano. Por sua vez, a mudança climática surge como uma ameaça silenciosa. Nesse sentido, as previsões para os padrões de precipitação e temperatura em áreas de grande altitude preveem um aumento da temperatura média anual e uma diminuição da taxa de precipitação. Isso tem consequências diretas na distribuição da vegetação e na recarga de água nessas áreas úmidas de grande altitude.

Conhecer e compreender o funcionamento desses ecossistemas de altitude é apenas o primeiro passo se quisermos protegê-los para que possam ser aproveitados pelas gerações futuras.

Para mais informações:

  1. https://cienciahoy.org.ar/los-flamencos-altoandinos/
  2. Podcast. Humedales altoandinos: la importancia del agua. Wetlands International
  3. https://lac.wetlands.org/noticia/lanzamos-un-podcast-sobre-humedales-altoandinos/
  4. Nievez, A., Domínguez, S.F. & Tarifa, E. (2014). Análisis técnico-ambiental de la producción de carbonato de litio en el NOA. Revista Argentina de Ingeniería 2, 103-108.
  5. Junk, W.J., Piedade, M.T.F., Schoengart, J., Wittmann, F., & da Cunha, C. N. (2016). Brazilian Wetlands: Classification. The Wetland Book, 1–7.

Foto

Rosa Maria Dias

emailrosa.dias@revistabioika.org

Bióloga com Doutorado em Ecologia pela Universidade Estadual de Maringá (PEA/UEM). Considero que só através da socialização do conhecimento poderemos alcançar uma sociedade mais justa. Tenho grandes e diversos sonhos! Um deles é acreditar que a educação amplia as almas e recria os horizontes; é a alavanca das mudanças sociais!

Foto

Alexandrina Pujals

emailale.pujals@revistabioika.org

Bióloga, especialista em Planejamento Ambiental, Gestão dos Recursos Naturais e Mestre em Ciências Ambientais. Acredito que o conhecimento científico tem valor maior quando compartilhado e popularizado. A divulgação torna esse conhecimento acessível ao público, alinhando argumentos e ideias que busquem a conservação do meio ambiente.

Foto

Ángela Gutiérrez C

emailangela.gutierrez@revistabioika.org

De acordo com minha formação na educação pública, acredito na necessidade de fazer acessível para todos, os resultados das pesquisas científicas. O que é feito? Para que serve? Como posso contribuir? Acredito que o trabalho multidisciplinar é a chave para propor soluções que possam gerar uma sociedade justa, sustentável e igualitária.

Foto

Carolina Gutiérrez Cortés

emailcarolinagc@revistabioika.org

Sou microbióloga e trabalho com a geração de novas alternativas para o processamento saudável de alimentos mediante o uso de aditivos naturais. Espero poder compartilhar este conhecimento e aproveitar as experiências de outras pessoas. Por isso, acredito no desafio de comunicar com uma linguagem simples tudo o que é produzido na academia.

Foto

David González

emaildavid.gonzalez@revistabioika.org

Publicitário, fã da linguagem escrita e audiovisual. Acredito que a ciência, a tecnologia, a arte e a comunicação têm o poder de criar bem estar, toda vez que estejam ao serviço da cultura, do cuidado do entorno e das causas mais generosas.

Foto

Gabriela Doria

emailgabrieladoria@revistabioika.org

Sou bióloga/botânica apaixonada pelas plantas e o conhecimento da natureza. Doutora em Ciências das Plantas na Universidade de Cambridge. Tão importante como desenvolver pesquisa de alta qualidade é motivar a curiosidade científica e o desfrute razoável da natureza na sociedade.

Foto

Isabela Machado

emailisabela.machado@revistabioika.org

Formada em Biologia e Comunicação Social, especialista em Comunicação empresarial. Sou mestranda em Tecnologias Limpas e Sustentabilidade, com experiência científica e profissional em Ecologia Aquática, Educação Ambiental, Sustentabilidade, Jornalismo Ambiental e Assessoria de imprensa.

Foto

Rafael Franco Ferreira

emailrafaelfferreira1987@revistabioika.org

Físico e estudante de doutorado em Física da Universidade Estadual de Maringá (Brasil). Como entusiasta das ciências e da filosofia, acredito que o conhecimento transforma o indivíduo e sua cultura. Penso que a socialização das ciências ajuda a criar uma sociedade mais crítica, justa e independente de seus governantes.


library_booksVersão PDF



bookmark_border Favoritos


notifications_none Recentes

loyaltyInscreva-se grátis


event_available Lançamentos

alarm_onNotificações