Invasões biológicas: o inimigo mora ao lado

Com enfoque no caso do rio Paranapanema, localizado no sul do Brasil, Mário Orsi e coautores falam sobre questões chave como a falta de políticas públicas que facilitem a compreensão da sociedade sobre as invasões biológicas e a negligência diante do problema.

  • Foto

    Mário Luis Orsi

    emailorsi@uel.br

    Biólogo da Universidade Estadual de Londrina. Membro da Sociedade Brasileira de Ictiologia. Editor associado da Hydrobiologia. Suas pesquisas têm ênfase nas Invasões Biológicas e na conservação de espécies aquáticas. Autor de cinco livros, 15 capítulos de livros e 76 artigos científicos.

  • Foto

    Diego Azevedo Zoccal Garcia

    emaildiegoazgarcia@hotmail.com

    Biólogo pela Universidade Estadual de Londrina. Doutorado em Ciências Biológicas. Tem experiência na área de Ecologia de Ecossistemas, com ênfase em Ecologia de Peixes, atuando principalmente nos temas: conservação da ictiofauna, identificação de áreas de atividade reprodutiva de peixes e invasões biológicas.

  • Foto

    Armando Cesar Rodrigues Casimiro

    emailarmandocesar82@yahoo.com.br

    Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Londrina e mestrado em Ciências Biológicas (Zoologia) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Tem experiência na área de Ecologia, com ênfase em invasões biológicas.

  • Foto

    Alan Deivid Pereira

    emailalandeivid_bio@live.com

    Mestre em Biologia na área de Biodiversidade e Conservação de Habitats Fragmentados, tendo como linha de pesquisa Ecologia e Conservação de Quirópteros Neotropicais. Doutorando na mesma área, com linha de pesquisa voltada à influência das alterações ambientais sobre aspectos funcionais na comunidades de mamíferos e à influência de espécies exóticas sobre as nativas.

  • Foto

    Lucas Ribeiro Jarduli

    emaillucasjarduli@gmail.com

    Mestrado em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Londrina. Experiência na área de Zoologia, com ênfase em taxonomia dos grupos recentes. Atua principalmente na área de sistemática e diversidade de peixes de água doce neotropicais.



share Compartilhar expand_more

Rio Paranapanema -  trecho da Usina Hidrelétrica de Taquaruçu.

O significado de invasões biológicas está longe de ser um tema conhecido no Brasil, ainda mais em tempos atuais em que a ciência é vista como um “empecilho” ao desenvolvimento. Tal situação só agrava diversos problemas decorrentes das invasões. Porém, no intuito de conscientizar e ampliar o conhecimento nessa área, diversos pesquisadores, educadores e alguns gestores vêm empregando grandes esforços para tentar mudar este cenário de falta de conhecimento.

Após os relatórios atuais de estudos robustos e alarmantes sobre a extinção de espécies no mundo como um todo, a questão de invasões biológicas torna urgente a tomada de decisões acertadas e, principalmente, baseadas em termos científicos e de bom senso. Neste sentido, tentamos trazer aqui alguns dos conceitos e conhecimento a respeito. 

As atividades humanas estão acelerando o processo, tendo um grande papel na introdução de espécies em locais onde antes não existiam

É considerada espécie invasora todo organismo introduzido fora de sua área de ocorrência, que após ter sua população estabelecida e ultrapassar diversas barreiras ecológicas, físicas e químicas, pode aumentar seu território, ou seja, se expandir sem controle, causar a exclusão de espécies nativas, contribuir com a perda de importantes serviços ecossistêmicos, causando assim, grandes impactos ao meio ambiente. São inúmeros os prejuízos (econômicos, sociais e ambientais) causados pela consequência direta ou indireta do estabelecimento dessas espécies não nativas. Apesar de alcançarem novas áreas de vida de forma natural na história da Terra (migrações e colonização de organismos), as atividades humanas estão acelerando o processo, tendo um grande papel na introdução de espécies em locais onde antes não existiam. Isto deixa as espécies locais “despreparadas” para competir com as invasoras, cenário que representa hoje um dos maiores desafios em todo planeta.

Aedes aegypti en Dar es Salaam, Tanzania

Apesar deste enorme problema, ainda existe grande dificuldade de compreensão da sociedade sobre o tema, sobretudo pela falta de políticas públicas voltadas para a prevenção da introdução de espécies não nativas. As pessoas só se dão conta, quando estes organismos já se encontram em fase de invasão, causando prejuízos econômicos, sociais e biológicos. Como exemplo, podem ser citados os casos do javali (Sus scrofa), que aniquila plantações, o mexilhão-dourado (Limnoperna fortunei), que causa impactos em turbinas de usinas hidrelétricas, além de doenças como a Dengue, Zika e Chikungunya disseminadas pelo mosquito africano Aedes aegypti (mosquito-da-dengue) OMS.

As pessoas só se dão conta, quando estes organismos já se encontram em fase de invasão, causando prejuízos econômicos, sociais e biológicos

Muitas das espécies invasoras foram introduzidas devido a sua beleza: plantas ornamentais, peixes de aquário e até animais “exóticos” de estimação (esquilos, furões, cães e gatos), ou utilizados em caça (javalis e lebres), produção de couro (chinchila, furões e ratão do banhado). Há ainda a conversão de hábitat em muitos estados do Brasil com a substituição da floresta nativa por outra não nativa (como exemplo, as monoculturas de eucalipto). Conhecidas como “desertos verdes”, são uma barreira geralmente impermeável ou pouco frequentada pela maioria das espécies de mamíferos relacionada aos recursos (nicho ecológico) limitados e oferecidos nesta paisagem (alimento e abrigo). 

Área com plantio de eucalipto próxima à uma região com vegetação nativa.

Na pesca esportiva, podemos citar os tucunarés (gênero Cichla), nativos da bacia Amazônica. Estes peixes foram amplamente introduzidos em vários rios e reservatórios pelo Brasil, inclusive na bacia do rio Paranapanema, foco em nossa luta contra a introdução de espécies não nativas e seus impactos.

Tucunaré-amarelo não nativo, Cichla kelberi.

O caso do rio Paranapanema

O rio Paranapanema (Brasil) é um dos maiores afluentes da bacia do alto rio Paraná, e possui 11 reservatórios hidrelétricos construídos em seu leito principal. Isto transformou drasticamente a fisiografia de sua bacia e a composição de peixes (veja Anexo 1), com o aumento de espécies não nativas1.   

36% dos peixes da bacia do rio Paranapanema são não nativos.

Antigamente, os peixes de grande porte, que realizam longas migrações (piracema), eram abundantes no rio Paranapanema. Em 1890, o engenheiro Theodoro Sampaio relatou: “Nas águas do rio, encontram-se peixes da melhor qualidade e tamanho, como o surubim ou jaú, que chegam algumas vezes a dois metros de comprido; o dourado, peixe corpulento e de saborosa carne, abundantíssimo nas seções pedregosas e encachoeiradas do rio, onde procura vencer os saltos em grandes cardumes...”. Sampaio citou espécies que atualmente estão ameaçadas na bacia do alto rio Paraná, o surubim (Steindachneridion scriptum); o jaú (Zungaro zungaro); e o dourado (Salminus brasiliensis). Além destas, várias outras espécies estão sob algum grau de ameaça na bacia do rio Paranapanema, hoje pressionadas tanto pelas barragens quanto pelas espécies invasoras. 

Apesar de existir o reconhecimento da urgência de ações de manejo, muitos não concordam com as medidas necessárias para que ele ocorra de forma eficiente, o que causa polêmica a este complexo tema. 

Jaú de 128kg capturado em 1982 no rio Paranapanema.
Jaú de 30kg capturado no monitoramento da ictiofauna pela Duke Energy em 2000.

A constante negligência em relação às questões ambientais e legais priorizam o ganho financeiro direto e imediato, e desconsideram os prejuízos indiretos decorrentes da perda de serviços ecológicos em função das invasões biológicas decorrentes da introdução de espécies. Há, portanto, a urgente necessidade de se planejar e repensar tais atividades. As ferramentas para tal planejamento já existem, e assim podemos prevenir os problemas ambientais e socioeconômicos bem mais profundos.   

Anexo 1

Peixes nativos da bacia do rio Paranapanema.

Referências

  1. Jarduli, LR; et al. 2020. Fish fauna from the Paranapanema River basin, Brazil. Biota Neotropica 20:1-19.


Foto

Raffael Tófoli

emailraffael.tofoli@revistabioika.org

Sou biólogo e professor no Instituto Federal Catarinense. Desde a graduação faço pesquisa em Ecologia, área na qual fiz o Mestrado e Doutorado pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Acredito no poder transformador da educação, da ciência e da divulgação científica!

Foto

Aleja Vélez Denhez

emailaleja.velez@revistabioika.org

Estou interessada no estudo de tecnologias sustentáveis que contribuam na diminuição do impacto ambiental das nossas ações cotidianas. Acredito que compartilhar o conhecimento é um dever do pesquisador, e criar consciência do impacto que as nossas decisões têm sobre a saúde do planeta é um passo necessário para a sua preservação.

Foto

Ana Marcela Hernández Calderón

emailana.hernandez@revistabioika.org

Comunicadora social e jornalista da Universidad de la Sabana com 19 anos de experiência na área editorial. Estou convencida de que compreender a nossa mãe Terra e descobrir todas as suas mecânicas de vida, pode nos dar pistas e motivação para cuidar dela. É por isso que é indispensável que todos nós possamos acessar essa informação.

Foto

Ángela Gutiérrez C

emailangela.gutierrez@revistabioika.org

De acordo com minha formação na educação pública, acredito na necessidade de fazer acessível para todos, os resultados das pesquisas científicas. O que é feito? Para que serve? Como posso contribuir? Acredito que o trabalho multidisciplinar é a chave para propor soluções que possam gerar uma sociedade justa, sustentável e igualitária.

Foto

Anielly Oliveira

emailanielly.oliveira@revistabioika.org

Bióloga por paixão, acredito que o conhecimento científico gerado na academia deve buscar meios de encontrar a sociedade. Quanto mais isso for feito, menos políticas errôneas serão adotadas pelos tomadores de decisões.

Foto

Carolina Gutiérrez Cortés

emailcarolinagc@revistabioika.org

Sou microbióloga e trabalho com a geração de novas alternativas para o processamento saudável de alimentos mediante o uso de aditivos naturais. Espero poder compartilhar este conhecimento e aproveitar as experiências de outras pessoas. Por isso, acredito no desafio de comunicar com uma linguagem simples tudo o que é produzido na academia.

Foto

David González

emaildavid.gonzalez@revistabioika.org

Publicitário, fã da linguagem escrita e audiovisual. Acredito que a ciência, a tecnologia, a arte e a comunicação têm o poder de criar bem estar, toda vez que estejam ao serviço da cultura, do cuidado do entorno e das causas mais generosas.

Foto

Lucas Waricoda

emaillucas_nobuo@revistabioika.org

Músico e jornalista, já fiz um pouco de tudo nessa vida – o suficiente pra saber com quem e pelo que me entregar. Passei por jornais impressos, digitais, revistas, rádios, agências de publicidade e continuo tentando aprender a aliar tudo isso com a rotina maluca de uma banda autoral independente.


library_booksVersão PDF


Você tem algo a dizer? Comente!

As opiniões registradas aqui pertencem aos internautas e podem não refletir a opinião da Revista Bioika. Este é um espaço aberto para a manifestação da opinião dos leitores, porém nos reservamos ao direito de remover os comentários que sejam considerados inadequados. Obrigado pela sua participação!


event_available Lançamentos

loyaltyInscreva-se


folder_special Favoritos


Origem da Revista Bioika