Profissão Perigo! América Latina é a região mais perigosa para os defensores do meio ambiente, de acordo com a Global Witness

folder_special

O relatório chama a atenção para o impacto dos ataques de governos e políticos sobre a reputação de ambientalistas, que acabam promovendo violência.



share Compartilhar expand_more

Encontro de líderes sociais em Brisas-La Florida, estado de Chocó na Colômbia

Os nomes María del Pilar Hurtado, Enrique Guejia Mezal, Dilma Ferreira Silva ou Samir Flores não significam nada para a maioria das pessoas. Não são nomes de influenciadores ou youtubers, muito menos fazem parte do show business. Eles não fazem mais parte deste mundo, são apenas 4 nomes dos 212 ativistas ambientais assassinados em 2019. Os números de assassinatos de ativistas ambientais bateram recordes nos últimos anos. Em julho de 2020, a organização Global Witness1 divulgou as estatísticas de assassinatos de líderes ambientais e defensores da terra para o ano de 2019. Os números são preocupantes, uma vez que a cada semana, quatro ativistas são assassinados em todo o mundo, desde 2015. Os assassinatos são apenas uma parte da intimidação que essas pessoas enfrentam, já que a perseguição por diferentes atores, incluindo processos judiciais pelos Estados, violência sexual, ameaças de morte, desaparecimento forçado e ataques violentos estão se tornando “parte da paisagem”, especialmente nos países em desenvolvimento.  

Video

O relatório destaca que, dos 212 assassinatos registrados em 2019, metade ocorreu em apenas dois países: Colômbia com 64 assassinatos e Filipinas com 43. Com a Colômbia à frente, seguida pelo Brasil (24 assassinatos) e México (18 assassinatos), a América Latina é a região onde a luta pelo acesso justo à terra, a defesa contra os impactos ambientais e a denúncia da ilegalidade tornam-se justificativas para a violência. Uma violência que se desencadeou principalmente contra aqueles que protestam contra projetos de mineração ou denunciam a mineração ilegal (50 assassinatos) e contra aqueles que se opõem à agricultura extensiva (com um aumento de 60% nos assassinatos em relação a 2018).    

Protestos contra a grilagem de terras
Protestos contra a grilagem de terras. Protesto intitulado Marcha das Margaridas (Movimento realizado por mulheres) ocorrido no Brasil. / Imagem: Rede Social Feminista 

Outro fato preocupante é que as comunidades indígenas têm sofrido com esse flagelo de forma desproporcional. Embora representem apenas 5% da população global, 40% dos líderes ambientais assassinados eram indígenas. E por causa dos setores envolvidos nos assassinatos, muitos se concentraram em áreas de expansão da fronteira agrícola, como a Amazônia, onde ocorreram 90% dos assassinatos registrados para o Brasil.

O relatório chama a atenção para o impacto dos ataques de governos e políticos sobre a reputação de ambientalistas, que acabam promovendo violência. Além disso, o alto grau de corrupção dentro das instituições em vários desses países impede a justiça. Esse é o caso do Brasil, onde as investigações produziram resultados judiciais em apenas 14 dos 300 assassinatos ocorridos desde 2010 na Amazônia brasileira2

Encontro do ex-presidente da CoR, Karl-Heinz Lambertz, com o Cacique Raoni Metuktire

Buscando proteger a vida dos ambientalistas, o relatório da Global Witness termina com recomendações dirigidas a governos, empresas e investidores. Os governos devem insistir na necessidade de garantir os direitos de propriedade da terra para as comunidades indígenas, bem como garantir o acesso a ela de forma igualitária, incluindo a perspectiva de gênero. Os governos devem ser responsáveis por avaliar e tornar públicos os impactos ambientais potenciais causados por projetos que necessitem explorar recursos naturais. E talvez um dos pontos mais importantes seja legitimar, promover e defender o exercício do ativismo ambiental e, claro, fazer justiça mediante os ataques, ameaças e assassinatos. 

Mais informações:

  1. Global Witness. Defending tomorrow: The climate crisis and threats against land and environmental defenders. 2020
  2. Naiara Galarraga Gortázar. Brasil só julgou 14 dos 300 assassinatos de ambientalistas da última década. El País. https://brasil.elpais.com/brasil/2019/09/16/politica/1568661819_648829.html

Foto

Rosa Dias

emailrosa.dias@revistabioika.org

Bióloga com Doutorado em Ecologia pela Universidade Estadual de Maringá (PEA/UEM). Considero que só através da socialização do conhecimento poderemos alcançar uma sociedade mais justa. Tenho grandes e diversos sonhos! Um deles é acreditar que a educação amplia as almas e recria os horizontes; é a alavanca das mudanças sociais!

Foto

Oscar Pelaez

emailopelaez@revistabioika.org

Biólogo, Mestre em Ciências ambientais e Doutor em Ciências. Atua na área de pesquisas em ecologia, com ênfase em ecologia de peixes, diversidade funcional e filogenética.

Foto

Alexandrina Pujals

emailale.pujals@revistabioika.org

Bióloga, especialista em Planejamento Ambiental, Gestão dos Recursos Naturais e Mestre em Ciências Ambientais. Acredito que o conhecimento científico tem valor maior quando compartilhado e popularizado. A divulgação torna esse conhecimento acessível ao público, alinhando argumentos e ideias que busquem a conservação do meio ambiente.

Foto

Ángela Gutiérrez C

emailangela.gutierrez@revistabioika.org

De acordo com minha formação na educação pública, acredito na necessidade de fazer acessível para todos, os resultados das pesquisas científicas. O que é feito? Para que serve? Como posso contribuir? Acredito que o trabalho multidisciplinar é a chave para propor soluções que possam gerar uma sociedade justa, sustentável e igualitária.

Foto

Carolina Gutiérrez Cortés

emailcarolinagc@revistabioika.org

Sou microbióloga e trabalho com a geração de novas alternativas para o processamento saudável de alimentos mediante o uso de aditivos naturais. Espero poder compartilhar este conhecimento e aproveitar as experiências de outras pessoas. Por isso, acredito no desafio de comunicar com uma linguagem simples tudo o que é produzido na academia.

Foto

David González

emaildavid.gonzalez@revistabioika.org

Publicitário, fã da linguagem escrita e audiovisual. Acredito que a ciência, a tecnologia, a arte e a comunicação têm o poder de criar bem estar, toda vez que estejam ao serviço da cultura, do cuidado do entorno e das causas mais generosas.

Foto

Isabela Machado

emailisabela.machado@revistabioika.org

Formada em Biologia e Comunicação Social, especilista em Comunicação empresarial. Sou mestranda em Tecnologias Limpas e Sustentabilidade, com experiência científica e profissional em Ecologia Aquática, Educação Ambiental, Sustentabilidade, Jornalismo Ambiental e Assessoria de imprensa.

Foto

Rafaela Granzotti

emailrafaelagranzotti@revistabioika.org

Sou bióloga e doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Evolução da Universidade Federal de Goiás. Acredito que em um mundo globalizado e informatizado como o nosso, informação de qualidade é essencial para que as pessoas tomem decisões e assim sejam agentes de mudança para um mundo mais sustentável.

Foto

Sonia Yanira Rodríguez Clavijo

emailsonia.yanira@revistabioika.org

Com formação em Microbiologia, tenho trabalhado em biologia molecular e bioinformática. Ultimamente o ensino de zoonoses e epidemiologia, voltado para profissionais do meio ambiente, me permite fazer parte de uma mudança necessária em nossa sociedade e sua relação com o meio ambiente.


library_books Versão PDF


Você tem algo a dizer? Comente!

As opiniões registradas aqui pertencem aos internautas e podem não refletir a opinião da Revista Bioika. Este é um espaço aberto para a manifestação da opinião dos leitores, porém nos reservamos ao direito de remover os comentários que sejam considerados inadequados. Obrigado pela sua participação!


event_available Lançamentos

loyaltyInscreva-se


Origem da Revista Bioika