O que está acontecendo na maior selva do mundo durante o período de isolamento pela COVID-19?

Enquanto boa parte da população da América de Sul permanece em isolamento pela COVID-19, a floresta amazônica desaparece aceleradamente no Brasil e na Colômbia.



share Compartilhar expand_more

Mineração de ouro na Amazônia brasileira

O mundo assiste à evolução da pandemia da COVID-19, enquanto uma catástrofe ambiental ocorre no norte da América do Sul - que parece passar despercebida pelos governos regionais envolvidos. Durante o primeiro semestre de 2020, o desmatamento na Amazônia aumentou dramaticamente, principalmente nos territórios brasileiro e colombiano.

 Segundo a mídia local, em ambos os países o processo responde ao mesmo esquema, que consiste em derrubar a floresta, deixá-la secar, queimar e invadi-la. Uma vez assumidas as terras “vagas”, são usadas para várias atividades, principalmente pecuária extensiva, além da mineração ilegal, o cultivo ilegal e a construção de estradas. 

Sete países fazem parte da Amazônia e, três deles (Bolívia, Brasil e Colômbia) estão entre os cinco mais desmatados do mundo, de acordo com o World Resources Institute (WRI).

Durante os primeiros quatro meses de 2020, em meio à contingência da COVID-19, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) do Brasil informou que 1.202 km2 foram desmatados, indicando um aumento de 55% em relação ao mesmo período do ano anterior. Da mesma forma, eles prevêem que, no final deste ano, esse número pode chegar a 16 mil km2 desmatados, sendo o número mais alto observado desde a criação e implementação do Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia, em 2004.

Desmatamento na Amazônia colombiana

Do outro lado da fronteira, na Colômbia país que perdeu 6,7 milhões de hectares de floresta nas últimas três décadas em todo o território― o Sistema de Informações Ambientais do Instituto Sinchi registrou que, durante o período de quarentena, de março a maio de 2020, foram detectados 12.953 pontos de calor (pontos com anomalias de temperatura que podem desencadear incêndios florestais) nos estados da Amazônia, comparados aos 4.691 registrados em março de 2019, representando um aumento de 276 % em apenas um ano. Confirmando essas informações, a Fundação para a Conservação e o Desenvolvimento Sustentável (FCDS) relata que entre os meses de janeiro e abril deste ano, cerca de 75.031 hectares de floresta amazônica desapareceram. Apesar da gravidade da situação, em abril de 2020 o governo colombiano informou quais regiões do país são mais afetadas, incluindo a Amazônia, embora não tenha divulgado números oficiais de desmatamento.

Diante desse panorama de desmatamento descontrolado, a Procuradoria Geral da República solicitou formalmente ao governo colombiano que declarasse um estado de emergência ecológica e ambiental, para que seja possível tomar ações efetivas voltadas para a restauração, proteção e conservação dos locais de grande importância ecológica. Uma solicitação que quase dois meses depois ainda não foi respondida. 

Embora a Amazônia seja uma das regiões mais importantes do mundo em termos ambientais, por abrigar uma grande diversidade de fauna e flora, regular o clima regional e determinar a disponibilidade de água doce no sul do continente, parece ser mais valorizada como recurso econômico através da exploração (principalmente ilegal) do que para conservação.

Amazônia e diversidade no Brasil

A resposta do estado não poderia ser mais controversa. No Brasil, o governo liderado pelo Ricardo de Aquino Salles, ministro do Meio Ambiente, aconselha sua equipe a aproveitar a pandemia da COVID-19 para relaxar a regulamentação ambiental e, na Colômbia, o partido do governo durante sessões semipresenciais no Congresso da República lançou recentemente um projeto para permitir a exploração de petrolífera na região, no entanto o projeto não foi aprovado. Dessa forma, enquanto grande parte da população permanece isolada, a Amazônia brasileira e colombiana é devastada. Consequências já são percebidas na parte sul do continente americano, na bacia do rio Paraná, onde se vê o nível de seus rios diminuir e é previsto uma seca severa, pois está chegando o fim da estação chuvosa na Amazônia, da qual seus níveis de umidade dependem. 

Para mais informações:

  1. https://www.lanacion.com.py/mundo/2020/05/08/nuevo-record-de-deforestacion-en-la-amazonia-brasilena/?fbclid=IwAR3M69pUk1SnM3sjh0UHC3Fz5Gaps9wCCKBUB5tCcfSuPj-18qxh1ebhNGU
  2. https://g1.globo.com/natureza/noticia/2020/05/08/alertas-de-desmatamento-na-amazonia-crescem-em-abril-mostram-dados-do-inpe.ghtml
  3. https://sostenibilidad.semana.com/actualidad/articulo/procuraduria-pide-declarar-emergencia-ecologica-y-climatica-en-colombia-por-la-deforestacion/50234?fbclid=IwAR2FNmUmc5Ns1nXTinh3r-fK0sEbB18JmpblpZacx1_HFlOf_WSwGQHvM6Q
  4. https://sostenibilidad.semana.com/impacto/articulo/estan-aprovechando-la-cuarentena-para-quemar-la-selva-corpoamazonia/49489
  5. https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2020/05/desmatamento-da-amazonia-uma-tragedia-anunciada.shtml
  6. https://www.airedesantafe.com.ar/sociedad/escudado-la-pandemia-bolsonaro-acelera-la-destruccion-del-amazonas-brasil-n154340?fbclid=IwAR2dRIo-ffaSPBeaykttf_hOeSQe_vfx8V0Itk9k6iXThGIkUSoV_R8pX8k?fbclid=IwAR2dRIo-ffaSPBeaykttf_hOeSQe_vfx8V0Itk9k6iXThGIkUSoV_R8pX8khttps://cnnespanol.cnn.com/2020/05/23/ministro-en-brasil-sugiere-que-el-gobierno-aproveche-la-pandemia-para-relajar-las-regulaciones-ambientales/
  7. https://www.eltiempo.com/vida/medio-ambiente/se-cayo-propuesta-de-hacer-explotacion-de-petroleo-en-la-amazonia-498270
  8. https://sostenibilidad.semana.com/impacto/articulo/sucumbe-la-amazonia-colombiana-75000-hectareas-deforestadas-este-ano/51466

Foto

Ángela Gutiérrez C

emailangela.gutierrez@revistabioika.org

De acordo com minha formação na educação pública, acredito na necessidade de fazer acessível para todos, os resultados das pesquisas científicas. O que é feito? Para que serve? Como posso contribuir? Acredito que o trabalho multidisciplinar é a chave para propor soluções que possam gerar uma sociedade justa, sustentável e igualitária.

Foto

Alexandrina Pujals

emailale.pujals@revistabioika.org

Bióloga, especialista em Planejamento Ambiental, Gestão dos Recursos Naturais e Mestre em Ciências Ambientais. Acredito que o conhecimento científico tem valor maior quando compartilhado e popularizado. A divulgação torna esse conhecimento acessível ao público, alinhando argumentos e ideias que busquem a conservação do meio ambiente.

Foto

Carolina Gutiérrez Cortés

emailcarolinagc@revistabioika.org

Sou microbióloga e trabalho com a geração de novas alternativas para o processamento saudável de alimentos mediante o uso de aditivos naturais. Espero poder compartilhar este conhecimento e aproveitar as experiências de outras pessoas. Por isso, acredito no desafio de comunicar com uma linguagem simples tudo o que é produzido na academia.

Foto

David González

emaildavid.gonzalez@revistabioika.org

Publicitário, fã da linguagem escrita e audiovisual. Acredito que a ciência, a tecnologia, a arte e a comunicação têm o poder de criar bem estar, toda vez que estejam ao serviço da cultura, do cuidado do entorno e das causas mais generosas.

Foto

Gabriela Doria

emailgabrieladoria@revistabioika.org

Sou bióloga/botânica apaixonada pelas plantas e o conhecimento da natureza. Doutora em Ciências das Plantas na Universidade de Cambridge. Tão importante como desenvolver pesquisa de alta qualidade é motivar a curiosidade científica e o desfrute razoável da natureza na sociedade.

Foto

Isabela Machado

emailisabela.machado@revistabioika.org

Formada em Biologia e Comunicação Social, especialista em Comunicação empresarial. Sou mestranda em Tecnologias Limpas e Sustentabilidade, com experiência científica e profissional em Ecologia Aquática, Educação Ambiental, Sustentabilidade, Jornalismo Ambiental e Assessoria de imprensa.

Foto

Rafaela Giacomel Rauber

emailrafaelagrauber@revistabioika.org

Bióloga e mestranda em Ecologia. Acredito que precisamos fazer uma ponte entre a sociedade e a ciência. O que me motiva, é saber que meus pais poderão ler de forma prazerosa seu conteúdo, buscando novidades e compreendendo melhor o seu dia-a-dia.


library_booksVersão PDF


Você tem algo a dizer? Comente!

As opiniões registradas aqui pertencem aos internautas e podem não refletir a opinião da Revista Bioika. Este é um espaço aberto para a manifestação da opinião dos leitores, porém nos reservamos ao direito de remover os comentários que sejam considerados inadequados. Obrigado pela sua participação!


event_available Lançamentos

loyaltyInscreva-se


folder_special Favoritos


Origem da Revista Bioika